Perda auditiva e demência em idosos

By: | Tags: | Comments: 0 | agosto 4th, 2015

Pessoas idosas com perda auditiva tem maior risco de desenvolver demência ao longo do tempo, comparados a quem tem audição normal, afirma uma pesquisa publicada no periódico Archives of Neurology por cientistas da Faculdade de Medicina Johns Hopkins, dos Estados Unidos. De acordo com o estudo, a cada dez decibéis perdidos de audição, os riscos de demência aumentam 27%.

Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa, levando a problemas cognitivos, de memória, raciocínio, afetando também a linguagem, o comportamento e alterando a própria personalidade. Existem várias formas de demência, a mais comum e irreversível é a doença de Alzheimer.

A ligação entre a perda da audição e demência sugere que estas duas condições podem compartilhar uma alteração em comum, ou que o estresse de longo prazo devido à dificuldade para decodificar os sons, pode sobrecarregar os cérebros desses indivíduos, deixando-os mais suscetíveis à demência.

Desta forma, a perda da audição pode estar vinculada à demência em conseqüência de um esgotamento das capacidades mentais e do isolamento social ou a uma combinação de ambos.

As pesquisas podem levar a novas formas de prevenção da demência, um problema que afeta milhões de pessoas em todo o mundo e traz com ela um pesado fardo social.

Os resultados não provam que a perda de audição é a causa da demência, mas, sugerem que o uso de aparelho auditivo pode ajudar a adiar ou impedir a demência. Bem como, para as pessoas que já fazem uso de aparelhos auditivos, cuidados e as consultas periódicas, para verificar o funcionamento dos aparelhos e a saúde do ouvido, podem ser importantes aliados na prevenção dessas doenças e para ajudar a manter o cérebro em dia por muito mais tempo.

 

Fga Daniele Imlau

CRFa 9376/SC

Leave a Reply